clique para ir para a página principal

Sindicato prepara greve de 72h na Eletrobras se privatização for à pauta no Senado

Atualizado em -

Sindicato prepara greve de 72h na Eletrobras se privatização for à pauta no Senado Divulgação/Eletrobras
► Mudanças na MP que autoriza a privatização da Eletrobras custarão cerca de R$ 41 bi aos consumidores► Cemig SIM investirá R$ 1 bilhão em fazendas solares em 5 anos

Sindicatos de trabalhadores da estatal de energia Eletrobras (ELET3) têm preparado a realização de uma greve de 72 horas que poderia ser iniciada caso um projeto do governo para privatização da companhia entre na pauta de votações do Senado.

O movimento acontece após o senador Marcos Rogério (DEM-RO), relator da medida provisória que trata da privatização da Eletrobras, afirmar que deve finalizar seu relatório, no máximo, até a próxima terça-feira (15) da semana que vem. A intenção do parlamentar é que o texto já seja discutido no plenário no mesmo dia.

"Nós já deliberamos em assembleia, em todas as bases, por uma greve de 72 horas… caso o Congresso, o Senado Federal, coloque em pauta a MP 1031 na próxima semana", afirmou o diretor do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Energia do Rio de Janeiro e Região (Sintergia-RJ), Emanuel Mendes Torres.

A Eletrobras tem mais de 12 mil empregados, e o sindicalista disse acreditar em forte adesão ao movimento devido à resistência dos funcionários contra a privatização.

"A princípio, uma greve dessas não afeta o sistema. Mas a gente sabe que, num sistema tão complexo e gigantesco como a Eletrobras… basicamente, quando você não troca o turno e não deixa o pessoal sair para fazer manutenção, é sempre um risco para o sistema", completa.

Eletrobras planeja nova rodada de plano de demissões neste ano

Rodrigo Limp, presidente da estatal, afirmou ao Valor que a Eletrobras pretende fazer uma nova rodada do plano de demissão consensual (PDC) em 2021. Os PDCs vêm sendo implementados como parte de seu processo de reestruturação, nos últimos anos, em uma tentativa de deixar a companhia mais bem preparada para a transferência do controle à iniciativa privada.

“Estamos muito próximos do número de funcionários que consideramos ideal para a empresa. A grande redução de custos com pessoal já ocorreu”, disse. Em seguida, Limp lembrou que a companhia poderá aumentar novamente o quadro de pessoal no futuro, com o crescimento pós-privatização. “Temos a necessidade de rejuvenescer o quadro, que hoje tem uma faixa etária elevada."

Em março de 2021, a Eletrobras tinha 12.088 funcionários, frente aos quase 25 mil de antes da reestruturação. Em outubro, com essa nova rodada de desligamentos, a previsão é chegar a um número de 11.612 empregados.

Às 15h42, as ações ELET3 registravam queda de 0,29% a R$ 45,09.

Relacionados:

► Mudanças na MP que autoriza a privatização da Eletrobras custarão cerca de R$ 41 bi aos consumidores► Cemig SIM investirá R$ 1 bilhão em fazendas solares em 5 anos

Leia mais: