clique para ir para a página principal

Um assessor de investimentos para chamar de seu

Coluna de

Darla Sierra

Atualizado em -

Um assessor de investimentos para chamar de seu Pexels
► Cada vez mais mulheres investidoras► “Excelência é a espinha dorsal do sucesso de qualquer negócio”

“Por que tantos investidores estão mudando seus portfólios para empresas de assessoria de investimentos?” Essa é uma das perguntas que mais respondo quando o assunto é mercado financeiro no Brasil.

A resposta envolve o contexto recente de taxas de juros, a maturação do mercado financeiro com a inserção de novos produtos, o crescimento das corretoras, uma migração dos profissionais experientes saindo dos bancos para empresas independentes e um movimento natural do mercado, que usando o mercado americano como referência, posso assegurar que é só o começo.

Vamos contextualizar?

Esse movimento que enxergamos no Brasil (e de forma acelerada nos últimos 5 anos), começou nos Estados Unidos na década de 90. A premissa básica é de que o investidor (cliente), acessa o mercado financeiro (corretora) com o apoio de um especialista (assessoria de investimentos).

A diferença entre esse modelo e o tradicional oferecido pelas instituições financeiras é que o assessor constrói um relacionamento de longo prazo com aquele cliente, grupo familiar e empresarial. Essa proximidade permite mais assertividade na hora de fazer as sugestões de alocação e montar as estratégias financeiras mais pertinentes para o contexto individual, e de forma independente de qualquer viés de indicação por parte da instituição.

Aqui nos EUA, esse vínculo é tão forte que alguns assessores de investimentos quando se aposentam, passam as carteiras para um outro especialista de sua família que já apoiava no atendimento desses clientes, por exemplo. Exatamente como acontece também com as práticas médicas familiares.

Se formos seguir nessa analogia, o assessor de investimentos é exatamente o “médico do bolso”, trazendo uma visão 360 graus sobre a estrutura financeira desse cliente (pessoa física ou pessoa jurídica), ajudando a encontrar soluções que sejam eficientes e, mais importante ainda, acompanhando com proximidade para que essa carteira continue adequada as constantes mudanças do seu momento de vida e do mercado financeiro. Tudo isso, acessando uma prateleira aberta de produtos e serviços financeiros através de uma instituição sólida e altamente regulada.

O fato é que esse especialista e a sua empresa são os responsáveis pelo serviço enquanto que a estrutura em que ele está credenciado é a grande prateleira onde o cliente busca os produtos de investimentos.

Enquanto nos EUA o volume de investimentos nesse modelo de assessoria supera os 90% do total de AUM (Asset under Management ou, Ativos sob Gestão), no Brasil, a proporção é praticamente oposta. Cerca de 90% dos R$ 4 trilhões que os brasileiros têm aplicados ainda estão nos bancos. Por isso, esse é só o começo de uma tendência de mudança estrutural em como se faz investimentos no Brasil.

Cenário macroeconômico importa:

Considerando o quanto as coisas podem se tornar turbulentas rapidamente, as pessoas estão começando a planejar mais agressivamente” - Kyle Kensing, editor do CarrerCast’s (tradução livre).

O investidor brasileiro, acostumado a altos rendimentos com taxas de juros, viu esse cenário mudar completamente nos últimos anos. O novo patamar de taxas e a sofisticação do mercado, com a oferta de produtos que trazem janelas de oportunidades interessantes, faz com que a figura do especialista ganhe ainda mais relevância.

O investidor quer ter a segurança de ter ao seu lado alguém de confiança que possa lhe explicar o que está acontecendo no mercado, ser capaz de apresentar soluções mais adequadas e que trabalhe com agilidade para acompanhar os diversos fatores que impactam a carteira de investimentos.

2020 provou como isso é fundamental! Estou falando sobre ter alguém que conheça o seu perfil e as suas necessidades, que tem o suporte de especialistas em produtos específicos, em uma empresa com alta governança, para montar a melhor solução com você.

Como escolher uma assessoria para chamar de sua?

Vou começar te contando como eu escolhi a minha.

O ano era 2016, eu tinha acabado de sair do Brasil, e aproveitei a mudança para tirar um período sabático e repensar quais os próximos passos de carreira. Em meados desse ano voltei a Brasília, e foi aí que tudo mudou. A VLG Investimentos estava nascendo e eu resolvi me tornar sócia do negócio porque eu e os sócios-fundadores partilhávamos dos mesmos objetivos: fazer mercado financeiro de tal forma que impactássemos a vida dos nossos clientes, apresentando soluções sofisticadas e próximas que, de fato, fossem apropriadas para eles, enquanto construíamos uma empresa sólida com foco nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Corta para quase cinco anos depois e é exatamente isso que estamos fazendo.

Eu lembro de ter conversado com um grupo de clientes, grandes investidores que tive o prazer de atender anteriormente, sobre essa possível mudança de carreira. Eles estavam comigo há anos e eu queria saber se teria o apoio deles. A resposta foi “Sim, por favor, Darla. Venha que iremos com você”. Serei grata eternamente a eles por esse apoio que foi fundamental para a minha decisão.

O fato é que, para mim, só valeria a pena não atuar fora do país se fosse para ter um negócio de longo prazo, com solidez e que fizesse sentido eu associar a minha marca pessoal depois de 10 anos de mercado financeiro em Brasília. E foi assim que meu casamento com a VLG Investimentos aconteceu. Encontrei os sócios certos, com o propósito certo e no melhor momento de mercado.

Escolha uma assessoria na qual você possa construir um relacionamento de mão dupla como essa que temos com os nossos clientes. Escolha uma assessoria que se destaque pela ética, conhecimento técnico, experiência no mercado e diligência nos negócios. Procure pessoas com as quais você genuinamente se conecte e que tenham toda a estrutura para lhe prestar o melhor serviço. Eu costumo explicar a nossa relação da seguinte forma: Nós cuidamos de pessoas através do patrimônio delas.

O mercado financeiro continuará mudando e se abrindo cada vez mais. Novos produtos, sistemas, serviços e prateleiras estarão disponíveis. O que vai fazer a diferença é quem está do seu lado dando as informações que você precisa para tomar decisões mais adequadas para o seu perfil e momento de vida.

Relacionados:

► Cada vez mais mulheres investidoras► “Excelência é a espinha dorsal do sucesso de qualquer negócio”

Leia mais: