clique para ir para a página principal

Em dia de agenda econômica esvaziada, principais índices operam entre leves altas e perdas

Atualizado em -

Em dia de agenda econômica esvaziada, principais índices operam entre leves altas e perdas Freepik
► Senado aprova medida que permite privatização da Eletrobras► Petrobras protocola pedido de oferta subsequente de ações da BR Distribuidora

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Nesta sexta-feira (18), dia de agenda econômica esvaziada, os investidores ainda digerem as mudanças de sinalização da política monetária do Federal Reserve, com as projeções de alta dos juros em 2023. Assim, os principais índices mundiais operam entre leves altas e perdas. Por aqui, o noticiário corporativo é bastante movimentado, em dia de vencimento de opções sobre ações na B3. Em destaque, está a repercussão da aprovação pelo Senado da Medida Provisória da privatização da Eletrobras, o anúncio de dividendos da Vale, a oferta de ações da BR Distribuidora pela Petrobras, entre outras notícias.

Internacional

Sobre as bolsas mundiais, nos EUA os índices futuros Dow Jones e S&P 500 indicam quedas de 0,32% e 0,23%, respectivamente, enquanto o índice futuro Nasdaq indica alta de 0,04%. As bolsas dos Estados Unidos registraram dois dias de quedas após a divulgação na quarta (16) da declaração do Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês) do Federal Reserve. A instituição anunciou que pretende manter suas taxas de juros referenciais inalteradas no momento, elevou sua expectativa de inflação para 2021. E adiantou para 2023 o plano de elevar as taxas de juros, atualmente próximas a zero. A divulgação dos dados contribuiu para levar a quedas nos mercados de ações.

Na quinta (17), o Departamento de Emprego dos Estados Unidos informou que o número de novos pedidos de seguro-desemprego subiu inesperadamente na semana passada, totalizando 412 mil, acima da estimativa de 360 mil e 37 mil a mais do que na semana anterior. O Dow Jones fechou com queda de 0,62%; o S&P caiu 0,04%; e o Nasdaq subiu 0,87%. Na semana, o Dow acumula queda de 1,9%; o S&P recua 0,6%; e o Nasdaq tem alta de 0,65%.

Os preços das commodities continuam a ter quedas, ainda que menos expressivas como registradas na quinta, à medida que a China busca desacelerar a alta dos preços, e o dólar se fortalece. “No mercado internacional, diversas commodities agropecuárias dão sinal de topo recentemente, como milho, soja e carne de porco, além da pressão da China para resolver a especulação interna com commodities. Com isso, muitas metálicas perderam ímpeto no último mês e o petróleo está dando sinais de topo de preço, com tensões do possível retorno do Irã como fornecedor global, trazendo uma enxurrada ao mercado”, destaca Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset. Nesta sessão, contudo, grãos sobem forte, com milho em alta de cerca de 3% e a soja em alta de 4%, ainda que apenas recuperando parte do movimento do dia anterior.

Na Ásia, as bolsas fecharam a sexta com resultados variados, com enfoque dos investidores sobre a queda dos preços das commodities, acompanhando a valorização do dólar. O Banco do Japão anunciou que pretende manter a política monetária estável, e prolongar a duração de seu programa de estímulo durante a pandemia. Em sua declaração, o banco central japonês afirmou: “No momento, o Banco irá monitorar de perto o impacto da Covid-19, não hesitará em tomar novas medidas expansionistas se necessário e também espera que as políticas de juros de curto e longo prazo se mantenham em seus níveis atuais, ou ainda mais baixos”.

No Japão, o Nikkei recuou 0,19%; na Coreia do Sul, o Kospi subiu 0,1%; na China continental, o Shanghai composto teve uma leve queda, fechando em 3.525,10 pontos, enquanto que o componente Shenzhen subiu 0,769%; em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,6%. As bolsas europeias ficam estáveis, digerindo o anúncio de quarta-feira do Fed e a queda nos preços das commodities. O índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, cai 0,08%, enquanto que as ações dos setores de seguros e bancos caem 1,1%, e as do setor industrial sobem 0,3%. Segundo dados oficiais divulgados na sexta, as vendas no varejo do Reino Unido caíram 1,4% em maio em comparação com o mês anterior, frente à expectativa de economistas ouvidos pela agência internacional de notícias Reuters de alta de 1,6%.

Segundo o Escritório para Estatísticas Nacionais, lojas do setor de alimentação impulsionaram a queda inesperada. Após a divulgação dos dados, a libra recuou ao seu menor nível em seis semanas. O Índice de Preços ao Produtor (IPP) da Alemanha subiu 1,5% na comparação mensal em maio, superando a estimativa do mercado, de alta de 0,7%. Na comparação anual, o IPP avançou 7,2%, frente à projeção de alta de 6,4%.

Brasil

No Brasil, o último pregão de ações encerrou em queda de 0,93%, a 128.057 pontos e volume financeiro negociado de R$34,47 bilhões. Na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo estuda elevar o valor médio do programa Bolsa Família em 50%, e não em R$ 300, como havia afirmado na quarta. E afirmou que o benefício com reajuste passaria a ser pago a partir de dezembro. O valor médio pago atualmente é de R$ 190 mensais. Há variações de acordo com o tamanho da família e a idade das crianças. Os 50% de aumento em relação ao patamar atual levariam a um aumento de R$ 285. Os valores aventados pelo presidente pegaram a equipe econômica de surpresa. Ela já havia fechado as contas em um reajuste para R$ 250 em média, que poderiam ser pagos sem romper o teto de gastos e sem cortar outros programas, como exigia o presidente.

Commodities

Sobre as commodities, o petróleo Brent é negociado com queda de 0,78% a US$72,51 o barril. A Bolsa de Dalian fechou com o minério de ferro em queda de 0,17%, cotado a 1203 iuanes, equivalente hoje a US$ 186,86 (nas últimas 24 horas).

Corporativo

No contexto corporativo, pouco depois do fechamento do mercado na véspera, o Senado aprovou o projeto de lei que permite a privatização da Eletrobras em uma votação acirrada, por 42 votos favor ante 37 contra. No after hours da Bolsa de Nova York, os ADRs da companhia chegaram a subir 7%.

Já a Petrobras protocolou na quinta o pedido de registro da oferta secundária (follow on) de 436.875.000 ações ordinárias de emissão de BR Distribuidora que a petrolífera possui, a serem distribuídas no Brasil, com esforços de colocação no exterior.

A Vale, por sua vez, anunciou a distribuição de R$ 2,177096137 por ação em dividendos aos seus acionistas. Esses proventos serão pagos aos investidores que possuírem papéis VALE3 em carteira no fechamento do pregão do dia 23 de junho. Para os que possuírem os ADRs a referência será o dia 25 de junho na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse). Também como destaque, a JBS comunicou que concluiu a aquisição da Vivera, terceira maior produtora de produtos plant-based (produtos à base de plantas) na Europa. Segundo a empresa, a companhia adquirida oferece um amplo portfólio de produtos em mais de 25 países, com presença relevante nos mercados da Holanda, Reino Unido e Alemanha. A transação inclui três unidades produtivas e um centro de pesquisa e desenvolvimento localizados na Holanda.

Ainda, o Banco de Brasília anunciou nesta segunda-feira que a empresa de corretagem de seguros Wiz vai comprar participação de 50,1% em uma nova corretora que será formada com ativos do BRB. O valor do negócio é de R$ 585,2 milhões. Já as ações da Dasa começam a negociar no Novo Mercado a partir de 23 de junho. Por fim, o banco de investimentos BR Partners arrecadou R$ 364 milhões em oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de esforços restritos, com as units precificadas a R$ 16. Os papéis serão negociados na próxima segunda com o ticker BRBI11.

Relacionados:

► Senado aprova medida que permite privatização da Eletrobras► Petrobras protocola pedido de oferta subsequente de ações da BR Distribuidora

Leia mais: