clique para ir para a página principal

"O Brasil já está de pé, já está decolando outra vez", afirma ministro Paulo Guedes

Atualizado em -

"O Brasil já está de pé, já está decolando outra vez", afirma ministro Paulo Guedes Fabio Rodrigues Pozzebom
► Guedes diz que arrecadação recorde reflete retomada da economia► Guedes: CVM está gulosa demais, querendo dinheiro demais de taxas

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, mostrou otimismo com a retomada da economia brasileira durante participação em audiência pública na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (07). Segundo ele, o Brasil já está decolando e o Produto Interno Bruto (PIB) de 2021 deve crescer entre 5% e 5,5%.

“O Brasil já está de pé, já está decolando outra vez, numa boa velocidade, contra todas as expectativas. Isso está acontecendo com todos os indicadores nossos. Isso está acontecendo na arrecadação, que está vindo bem acima do esperado. Isso está acontecendo na produção industrial, isso está acontecendo no consumo de energia elétrica, no consumo de combustíveis. Então o Brasil se levantou novamente, e eu digo que isso é uma demonstração de resiliência da democracia brasileira”, enfatizou Guedes.

Guedes disse que o auxílio emergencial ajudou na retomada da economia, uma vez que ajudou o governo a responder melhor à crise. Para o ministro, o auxílio, que foi prorrogado até outubro, deve ser extinto em novembro e dezembro deste ano.

“Supostamente, os países mais avançados deviam ter um regime democrático mais flexível, com melhores respostas do que o nosso. Mas quem deu as melhores respostas à crise fomos nós. Foi a primeira vez e foi o único país em que uma recessão não destruiu empregos formais", afirmou o ministro da Economia.

Sobre a reforma tributária, Guedes voltou a falar na taxação dos dividendos.

“Quando nós encontramos uma nova base de incidência, que são os dividendos, você pode reduzir os impostos para empresas e para assalariados. Não adianta jogar impostos em cima de 30 milhões de brasileiros com renda relativamente baixa, enquanto do outro lado 20 mil proprietários de capital receberam R$ 400 bilhões de dividendos e tiveram uma isenção de R$ 50 ou $60 bilhões", disse.

Relacionados:

► Guedes diz que arrecadação recorde reflete retomada da economia► Guedes: CVM está gulosa demais, querendo dinheiro demais de taxas

Leia mais: