clique para ir para a página principal

XP lança nesta segunda (19) ETF de small caps com cota inicial de R$ 10

Atualizado em -

XP lança nesta segunda (19) ETF de small caps com cota inicial de R$ 10 Freepik
► Novos BDRs de ETFs possibilitam investidor acessar mercado de ações no Canadá, México e Coreia do Sul► Revisão da B3 faz com que ETF ESG ganhe 40 novas ações

A XP lança nesta segunda-feira (19) mais um ETF (Exchange-Traded Fund) de renda variável que vai seguir a variação do índice de small caps da B3 (SMLL). Com o ETF, que será negociado com o código "XMAL11", o investidor estará exposto às ações small caps da bolsa.

O “XMAL11” terá cota inicial de R$ 10 e taxa de administração de 0,30% ao ano. Além do novo ETF que será lançado hoje, o investidor também tem à disposição o SMALL11, da BlackRock, e o SMAC11, da Itaú Asset, que também seguem o índice de small caps da B3. No caso desses produtos, a taxa de administração é maior, de 0,50% ao ano.

Números

Como o Mercado1Minuto mostrou aqui, entre janeiro e maio de 2021, os ETFs (Exchange Traded Funds) movimentaram R$ 153 bilhões e o patrimônio dos produtos somou R$ 47 bilhões, um crescimento de 23% em relação a 2020, quando o patrimônio dos produtos era de R$ 38 bilhões.

Segundo dados registrados pela B3, a cada mês o número de investidores na modalidade também aumenta: em janeiro deste ano eram 269 mil investidores em ETFs e, ao final de maio, esse número cresceu 149%, atingindo a marca de 402 mil investidores (398 mil pessoas físicas e 2 mil investidores institucionais).

[APRENDA MAIS NA AULA DO MERCADO1M SOBRE COMO COMEÇAR A INVESTIR EM ETFS NA PRÁTICA]

O que é um ETF?

A sigla ETF é a abreviação em inglês de Exchange-Traded Fund. Em sua maioria, esses fundos contam com uma gestão passiva, com taxa de administração mais baixa e buscam replicar índices de mercado, como o Ibovespa, o S&P 500 (índice da bolsa americana) e também índices globais.

Na prática, o investidor faz uma aplicação em um ETF, que é como se fosse uma cesta de ativos, sem precisar acompanhar o desempenho de cada um dos papéis que compõem o investimento. Esse trabalho é feito pela gestora do ativo, que preenche a cesta de modo a ter a rentabilidade atrelada ao índice referência.

Entre as principais vantagens está a facilidade para investir (basta escolher a cesta de ativos que mais lhe agrada) e a possibilidade de começar aplicações com baixos valores. Para entender melhor sobre os ETFs, leia o texto do Mercado1Minuto sobre o tema.

Relacionados:

► Novos BDRs de ETFs possibilitam investidor acessar mercado de ações no Canadá, México e Coreia do Sul► Revisão da B3 faz com que ETF ESG ganhe 40 novas ações

Leia mais: