clique para ir para a página principal

Investir em franquia ou começar do zero? Conheça os riscos e vantagens de cada opção

Atualizado em -

Investir em franquia ou começar do zero? Conheça os riscos e vantagens de cada opção Freepik
► Cacau Show quer abrir 400 novas lojas até o fim do ano► Interesse dos jovens por franquias dobra durante a pandemia

A vontade de empreender está ganhando espaço na vida do brasileiro. Se antes ter um emprego com carteira assinada era o principal objetivo, hoje muitas pessoas decidem abrir o seu próprio negócio para ganhar mais autonomia e aumentar seus resultados financeiros a longo prazo.

Na decisão de abrir um negócio, uma dúvida é comum: é melhor investir em uma franquia ou começar algo do zero?

Veja a seguir os riscos e vantagens de cada uma das opções.

Franquias

Abrir uma franquia é copiar um modelo de negócio que já existe e transferi-lo para outro local com a autorização de que detém os direitos do modelo original.

Uma das principais vantagens de se tornar franqueado é aproveitar uma marca que já existe, que já tem um público consolidado e que possui estrutura pronta para iniciar o negócio. Além disso, a empresa já tem um marketing definido, o que reduz os custos com propagandas e divulgação, por exemplo.

O risco financeiro de abrir uma franquia tende a ser menor também, uma vez que uma marca já consolidada tem menos chances de dar errado do que um negócio iniciado do zero. Outro ponto positivo é a facilidade nos financiamentos, já que os bancos tendem a conceder empréstimos mais facilmente para marcas já consolidadas.

Apesar dos benefícios da franquia, é preciso pensar nas desvantagens também: ao investir em um modelo de negócio já existente, o empreendedor tende a ficar engessado naquilo que pode fazer. Não há espaço para inovações, já que a marca já tem um modelo definido de ação. Além disso, o lucro obtido numa franquia nunca será totalmente direcionado ao dono daquela franquia, já que é preciso pagar sempre uma parte para a empresa dona da marca.

Maiores franquias do Brasil:

  1. O Boticário (3.620 unidades)
  2. Mc Donalds (2.567 unidades)
  3. Cacau Show (2.371 unidades)

Setores com maior faturamento em 2020:

  1. Alimentação - R$ 40,898 bilhões
  2. Casa e Construção - R$ 12,429 bilhões
  3. Comunicação, informática e eletrônicos - R$ 6,034 bilhões

O bom desempenho do setor de alimentação tem muito a ver com a pandemia do coronavírus, que começou em março de 2020. Com as medidas sanitárias e o isolamento social, pedir refeições em casa se tornou comum para muitos brasileiros. Com essa mudança de comportamento, franquias de food service ganharam espaço. Apesar de promissor, é preciso ter cuidado ao abrir um negócio nesse setor.

“A área de alimentos exige muita responsabilidade (pois é uma questão de saúde também) e sacrifício, como ter que trabalhar nos finais de semana”, explica João Baptista Júnior, coordenador de food service da Associação Brasileira de Franchising.

Embora pareça simples abrir um negócio na área de alimentos, João Baptista Júnior alerta para a concorrência e o profissionalismo que precisam existir. "É importante lembrar, entretanto, que o setor está muito competitivo e extremamente profissional”, ressalta.

Franquias na B3

Existem diversas empresas que trabalham no modelo de franquias e estão na B3.

A rede de academias SmartFit (SMFT3) estreou na B3 no dia 14 de julho e possui 928 unidades espalhadas pelo Brasil, México, Colômbia, Chile, Peru, Panamá, Costa Rica, Argentina e Paraguai. A empresa tem operações franqueadas no Brasil, México, El Salvador, Equador, Guatemala e República Dominicana.

Outra empresa que entrou recentemente na B3 e também trabalha no sistema de franquias é a EspaçoLaser. A estreia na bolsa aconteceu em fevereiro de 2021. Segundo o site da empresa, o investimento para abrir uma franquia é de R$ 841 mil. A margem de lucro é de mais de 30% e o retorno do investimento acontece no período de 28 a 32 meses.

Começar do zero?

Abrir uma empresa do zero é um desafio e tanto. Além da burocracia que envolve a abertura de um negócio, o empreendedor precisa ter um planejamento detalhado de seus custos para não entrar em dívidas. Segundo o Ministério da Economia, no Brasil, se gasta, em média, dois dias e 13 horas para abrir uma empresa. Depois de aberta, a empresa ainda precisa de uma série de outros fatores para começar a funcionar.

Quando comparado com o sistema de franquias, abrir um negócio do zero tem uma desvantagem marcante: a marca que será criada é nova, desconhecida e precisa se consolidar para prosperar. Além disso, o público ainda não conhece a empresa e o investimento em publicidade é inevitável.

Apesar desses riscos, uma das principais vantagens de abrir o próprio negócio é receber todos os recursos da empresa de forma integral. Ao contrário do que acontece com uma franquia, num negócio próprio não é preciso dividir os lucros com ninguém. Nesse caso, o crescimento financeiro pode acontecer mais rapidamente.

Segundo dados da Serasa Experian do mês de junho, a abertura de empresas cresceu 27,2% em fevereiro de 2021, comparado ao mesmo período do ano passado. O número representa 343.811 novos negócios.

Independente da escolha, o empreendedor deve saber que, para abrir uma empresa ou para abrir uma franquia, precisa de planejamento, controle de gastos e disciplina. Esses são itens fundamentais para o sucesso de qualquer negócio.

Relacionados:

► Cacau Show quer abrir 400 novas lojas até o fim do ano► Interesse dos jovens por franquias dobra durante a pandemia

Leia mais: