clique para ir para a página principal

Turismo nacional apresenta queda de 3,1% no faturamento no primeiro semestre

Atualizado em -

Turismo nacional apresenta queda de 3,1% no faturamento no primeiro semestre Pexels
► Plano de recuperação para setor de eventos e turismo é sancionado com vetos► Setor de turismo continua entre os mais impactados pela pandemia

O Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de São Paulo (FecomercioSP), realizou um levantamento que aponta uma queda de 3,1% no faturamento do turismo brasileiro no primeiro semestre em comparação com o mesmo período do ano passado. Com esse desempenho, o setor acumula prejuízo de R$ 1,9 bilhão de prejuízo nos seis primeiros meses do ano.

Em junho deste ano, o setor de turismo apresentou uma alta de 47,3%, com um faturamento de R$ 10,2 bilhões, em comparação ao mesmo período de 2020. Segundo o estudo da Federação, os resultados atuais ainda são 26,3% menores do que os registrados em agosto de 2019, antes do início da pandemia.

Segundo os dados levantados, o que mais colaborou para a redução de resultados do setor no primeiro semestre foi a condução aérea, com queda de 16,2%. Já as transportes terrestres, entre eles os intermunicipais, interestaduais e internacionais, tiveram alta de 8,2% e uma elevação de 1,48 em pontos percentuais.

Em comparação com o ano anterior à pandemia, a pesquisa apontou que com o faturamento de R$36,6 bilhões abaixo do registrado, cinco dos seis grupos que foram estudados ainda não saíram do negativo e não conseguiram se recuperar por completo.

Na pesquisa, foi apontado que os grupos de transporte aéreo (45,2%), serviços de alojamento e alimentação (29,7%) e atividades culturais, recreativas e esportivas (25,3%), foram os que sofreram quedas mais significativas.

“Será muito importante que os empresários do setor desenvolvam estratégias de divulgação, promoções e fidelização de clientes para que o turismo doméstico se mantenha como item constante no orçamento das famílias”, ressaltou a presidente do Conselho de Turismo da Fecomercio-SP, Mariana Aldrigui.

Segundo a presidente, mesmo com os números negativos atuais, é perceptível a autenticidade que o turismo doméstico está tomando. Mesmo que discretamente, o setor já está se expandindo e compensando.

Para o Conselho de Turismo da Fecomercio-SP, no segundo semestre deste ano, o setor turístico terá um ritmo maior em sua retomada por conta da redução de restrições e o avanço da vacinação nos estados.

“Importante ressaltar, contudo, que esta volta à normalidade depende do respeito aos protocolos de distanciamento, de higienização e utilização de máscaras. Além disso, a vacinação deve ser incentivada, pois é uma das variáveis essenciais para o retorno seguro”, conclui a presidente da Fecomercio-SP.

Prejuízo de R$ 65,6 bilhões

Em outra pesquisa, a Fecomercio-SP apontou que até fevereiro deste ano o setor turístico já obteve um prejuízo de R$ 65,6 bilhões. Em porcentagem, o registro é 38,1% menor do que o mesmo período entre março de 2019 e fevereiro de 2020.

Isso significa que o turismo já perdeu um terço do seu tamanho em meio à crise da pandemia. De acordo com esse estudo, os piores momentos aconteceram no segundo semestre de 2020, quando o turismo brasileiro teve uma queda pela metade. Em abril, a perda foi de -54,8%, em maio de -53,3%, em junho de -50% e em julho de -50,4%.

Esses resultados mostram que o setor de turismo ainda está passando por fases críticas, algo inédito, pois, o setor estava com bons desempenhos desde 2014, o ano que mais obteve resultados positivos.

Relacionados:

► Plano de recuperação para setor de eventos e turismo é sancionado com vetos► Setor de turismo continua entre os mais impactados pela pandemia

Leia mais: