clique para ir para a página principal

Senado aprova novo mandato de Aras na PGR e indicação de novo diretor da CVM

Atualizado em -

Senado aprova novo mandato de Aras na PGR e indicação de novo diretor da CVM Marcelo Camargo | Agência Brasil
► Presidente veta fundo eleitoral de R$5,7 bilhões para 2022► Reforma tributária não será votada nesta semana, afirma Lira

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (24) a recondução de Augusto Aras no cargo de Procurador-Geral da República. Com a decisão, Aras inicia um novo mandato de dois anos à frente da Procuradoria-Geral da República (PGR), de onde só sairá em 2023. O PGR recebeu 55 votos favoráveis e 10 votos contrários à sua recondução. Ele precisava de 41 votos a seu favor.

Antes de ser aprovado pelo Senado, Augusto Aras passou por uma sabatina de seis horas na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Durante a sessão, o PGR foi questionado pelos senadores sobre o cenário político brasileiro e sobre a sua atuação.

“É dever, mesmo com a liberdade de expressão, não buscar os holofotes, nem buscar manifestar opiniões públicas. Cabe ao PGR ficar restrito ao discurso jurídico, manifestando nos autos, cumprindo a lei que assim o determina. Denúncias açodadas, sem lastro probatório, depois acabando frustrando expectativas e mesmo desacreditando o sistema de justiça”, afirmou Aras.

CVM

Nesta terça, o plenário do Senado também aprovou o nome de Fernando Caio Galdi para exercer o cargo de diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) até o dia 31 de dezembro de 2021 após a renúncia de Gustavo Machado Gonzalez. O novo diretor recebeu 48 votos favoráveis, seis contrários e duas abstenções.

Segundo a biografia divulgada no site do Senado, Fernando Galdi é professor convidado de uma série de instituições, na área de ciências contábeis. É membro do Conselho Superior da Câmara Cindes/Findes de Conciliação, Mediação e Arbitragem do Espírito Santo. De 2013 a 2017, foi diretor de operações e mercado da AlphaMar Investimentos e, a partir de 2018, diretor financeiro da Fucape Fundação de Ensino e Pesquisa.

Relacionados:

► Presidente veta fundo eleitoral de R$5,7 bilhões para 2022► Reforma tributária não será votada nesta semana, afirma Lira

Leia mais: