clique para ir para a página principal

Tigre pede registro de companhia aberta à CVM, mas não poderá fazer oferta de ações

Atualizado em -

Tigre pede registro de companhia aberta à CVM, mas não poderá fazer oferta de ações Divulgação
► Pandemia altera hábitos de investidores; Somente em junho, B3 captou R$ 20 bilhões com IPOs► Lucro de empresas listadas na B3 dispara 1.615% no 2º trimestre

A Tigre, empresa catarinense de tubos e conexões, registrou pedido de companhia aberta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta terça-feira (24) na categoria B, que permite a emissão de títulos de dívida como debêntures, mas não autoriza a oferta inicial de ações (IPO).

Segundo a assessoria de imprensa da Tigre, o objetivo é buscar recursos para financiar o crescimento da empresa. O pedido de registro na CVM acontece três meses após a compra da norte-americana Dura Plastic Products pela Tigre em mais uma proposta de ampliação da companhia.

"Com o registro tipo B temos mais uma opção de financiamento para o crescimento da Companhia com a possibilidade de lançarmos títulos de dívida no mercado. O movimento não significa abertura de capital tradicional ou negociação de ação em Bolsa de Valores. Esta iniciativa não acarreta qualquer alteração no quadro acionário da empresa", informa a Tigre em comunicado.

A Tigre já esteve entre as empresas listadas na B3 em uma operação que movimentou R$ 288 milhões. No entanto, a companhia decidiu fechar novamente seu capital em 2003 e não tem planos de voltar à bolsa neste momento.

Relacionados:

► Pandemia altera hábitos de investidores; Somente em junho, B3 captou R$ 20 bilhões com IPOs► Lucro de empresas listadas na B3 dispara 1.615% no 2º trimestre

Leia mais: