clique para ir para a página principal

Brasil criou 316 mil vagas de emprego em julho; no ano, saldo é de 1,8 milhão de postos

Atualizado em -

Brasil criou 316 mil vagas de emprego em julho; no ano, saldo é de 1,8 milhão de postos Divulgação | Internet
► Percentual de famílias com dívidas bate novo recorde e chega a 72,9% em agosto► Comércio brasileiro tem alta de 1,2% em julho, diz relatório do Serasa

O Brasil fechou o mês de julho com um saldo de 316.580 vagas de emprego formal criadas em todo o país. O número é resultado das 1.656.182 admissões e dos 1.339.602 desligamentos registrados no período. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o salário médio de admissão em julho caiu 1,25% na comparação com junho, situando-se em R$ 1.801,99. No acumulado do ano, o país tem saldo de 1.848.304 empregos, resultado de 11.255.025 admissões e de 9.406.721 desligamentos.

Para o Ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, a campanha de vacinação contra a covid tem ajudado na retomada da economia e, consequentemente, na geração de empregos.

“Já vacinamos mais que os Estados Unidos e, com o reaquecimento da economia, a tendência é que a taxa de ocupação continue essa tendência de alta”, afirma Onyx.

Na análise por regiões, o Sudeste foi o que mais gerou empregos, com saldo de 161.951 vagas, um avanço de 0,77% ante o mês de junho. A região que menos criou postos foi o Norte, com saldo de 22.417 vagas. Ainda assim, o resultado de julho foi 1,18% superior ao de junho na região Norte. O Nordeste criou 54.456 postos, 0,83% a mais do que em junho; a Região Sul teve saldo positivo de 42.639 postos, 0,55% superior ao mês anterior, e o Centro-Oeste criou 35.216 postos, 1,01% a mais do que em junho.

Relacionados:

► Percentual de famílias com dívidas bate novo recorde e chega a 72,9% em agosto► Comércio brasileiro tem alta de 1,2% em julho, diz relatório do Serasa

Leia mais: