clique para ir para a página principal

Custo da construção sobe 0,56% em agosto; confiança do setor também cresce

Atualizado em -

Custo da construção sobe 0,56% em agosto; confiança do setor também cresce Freepik
► Prévia da inflação fica em 0,89% em agosto, maior resultado para esse mês desde 2002► Combinação de desemprego e inflação elevados faz confiança do consumidor cair em agosto

O custo da construção no país cresceu 0,56% no mês de agosto, avanço inferior à variação de 1,24% registrada no mês de julho. Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgados nesta quinta-feira (26), o Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) acumula alta de 11,37% no ano e de 17,05% em 12 meses.

Para calcular o INCC, a fundação analisa duas categorias: materiais, equipamentos e serviços e mão de obra. No mês de agosto, o índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 1,37% para 1,10%. Já o índice referente à Mão de Obra não variou em agosto, após alta de 1,12% em julho.

Na análise por regiões, cinco capitais registraram decréscimo em suas taxas de variação: Salvador, Recife, Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo. Por outro lado, Brasília e Belo Horizonte apresentaram acréscimo em suas taxas de variação.

Confiança da construção

Também segundo a FGV, o Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 0,6 ponto em agosto, para 96,3 pontos, nível idêntico do observado em março de 2014.

"A evolução da atividade se mantém como destaque positivo. O Indicador alcançou o melhor resultado desde dezembro de 2012, puxando também as perspectivas sobre novas contratações", afirma Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção do FGV IBRE.

Em agosto, o resultado positivo do ICST decorre exclusivamente da melhora da satisfação dos empresários em relação à situação corrente. Segundo a FGV, o Índice de Situação Atual (ISA-CST) subiu 2,5 pontos, para 91,9 pontos, maior nível desde dezembro de 2020 (92,4 pontos).

Relacionados:

► Prévia da inflação fica em 0,89% em agosto, maior resultado para esse mês desde 2002► Combinação de desemprego e inflação elevados faz confiança do consumidor cair em agosto

Leia mais: