clique para ir para a página principal

Ibovespa encerra pregão em alta de +0,52%, apesar de dados abaixo do esperado do PIB brasileiro

Atualizado em -

Ibovespa encerra pregão em alta de +0,52%, apesar de dados abaixo do esperado do PIB brasileiro Yan Krukov | Pexels
► Alta da Selic; entenda como ela influencia nos seus investimentos► PIB deve crescer acima de 5% este ano, diz Ministério da Economia

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

O índice brasileiro encerrou o dia em alta de +0,52%, cotado aos 119.395 pontos, em meio a falas de autoridades e ao cenário externo positivo, com novo recorde do Nasdaq apesar da estabilidade do índice S&P 500 nos Estados Unidos.

As bolsas americanas refletiram o dado de emprego no setor privado do país em agosto. Os EUA criaram 374 mil vagas na iniciativa privada, a mediana das projeções dos economistas apontava para criação de 613 mil. Embora o número abaixo do esperado preocupe, não é necessariamente ruim para mercados, pois pode sinalizar uma manutenção da política monetária estimulativa do Federal Reserve (Fed) por mais tempo.

Aqui no Brasil, investidores interpretaram os dados do PIB brasileiro no segundo trimestre de 2021, que veio abaixo do esperado pelo mercado. A atividade econômica brasileira recuou 0,1% no segundo trimestre de 2021. O número veio abaixo da expectativa de crescimento de 0,2% que tinham os economistas.

Ainda na agenda macroeconômica, o resultado da balança comercial brasileira, por outro lado, trouxe dados positivos. Em agosto, houve superávit de US$ 7,7 bilhões - recorde histórico para o mês na série iniciada em 1989.

O dólar comercial registra alta de +0,2%, cotado a R$ 5,182 na compra e na venda.

Maiores altas:

  • Marfrig MRFG3 +4,54% R$ 21,42
  • Americanas S.A. AMER3 +3,80% R$ 42,93
  • Copel CPLE6 +3,80% R$ 7,10

Maiores baixas:

  • Tim TIMS3 -3,13% R$ 12,07
  • PetroRio PRIO3 -2,87% R$ 18,62
  • Cielo CIEL3 -2,79% R$ 2,79

Relacionados:

► Alta da Selic; entenda como ela influencia nos seus investimentos► PIB deve crescer acima de 5% este ano, diz Ministério da Economia

Leia mais: