clique para ir para a página principal

Pior coisa para o crescimento é inflação descontrolada, diz presidente do BC

Atualizado em -

Pior coisa para o crescimento é inflação descontrolada, diz presidente do BC Marcello Casal Jr. | Agência Brasil
► Prévia da inflação fica em 0,89% em agosto, maior resultado para esse mês desde 2002► PIB recua -0,1% no segundo trimestre; nos seis primeiros meses do ano, economia já avançou 6,4%

Após a divulgação do recuo de 0,1% da economia brasileira no segundo trimestre, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, participou virtualmente de sessão na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados e afirmou que uma inflação descontrolada é a pior variável para o crescimento do país.

"O que o BC entende e passa a mensagem é que a pior coisa para crescimento é inflação descontrolada. Inflação descontrolada é um imposto perverso nas pessoas, principalmente nas de baixa renda”, disse Campos Neto.

O presidente do BC ainda afirmou que a inflação alta atrapalha o planejamento de longo prazo.

"Temos uma inflação de 12 meses bastante alta, bastante indesejada, em 8,99%”, lembrou.

Questionado sobre o resultado do PIB divulgado nesta quarta, ele afirmou que acredita que a previsão de crescimento da economia para este ano será revisada para baixo após os números do segundo trimestre.

"Com o número de hoje, a gente acha que pode ser revisado um pouquinho para baixo, vamos observar", disse, ao se referir ao Boletim Focus que, na última segunda-feira (30), tinha uma projeção de crescimento de 5,22% para a economia neste ano.

Campos Neto também destacou que o dólar tem se comportado melhor nos últimos meses, ponto importante para os planos futuros.

"Se de fato o Brasil conseguir atingir credibilidade com um dólar desvalorizado, com exportações, com preço de commodities, lembrando que nós exportamos muito commodities, esse fluxo deve fazer o dólar voltar a um equilíbrio mais baixo, mas temos um tema de credibilidade", enfatizou.

Inflação

Como o Mercado1Minuto mostrou aqui, a prévia da inflação de agosto ficou em 0,89%. O resultado é o maior para um mês de agosto desde 2002, quando o índice atingiu 1,00%.

Relacionados:

► Prévia da inflação fica em 0,89% em agosto, maior resultado para esse mês desde 2002► PIB recua -0,1% no segundo trimestre; nos seis primeiros meses do ano, economia já avançou 6,4%

Leia mais: