clique para ir para a página principal

Eve fecha parceria com a Microflite e anuncia simulação de eVTOL no Rio de Janeiro

Atualizado em -

Eve fecha parceria com a Microflite e anuncia simulação de eVTOL no Rio de Janeiro Divulgação/Embraer
► Embraer amplia rede de serviços para jatos executivos nos EUA► Latam diz que Azul defende 'monopólio'

Em comunicado oficial, a Eve, subsidiária da Embraer, informou ao mercado que fechou uma parceria com a operadora de helicópteros australiana Microflite, operação que estabelecerá as bases para novas operações de mobilidade aérea urbana na Austrália, com início previsto para 2026.

Segundo a companhia, a Microflite e a Eve planejam iniciar sua parceria usando helicópteros como uma prova de conceito para validar os parâmetros que serão aplicados a futuras operações de aeronaves elétricas de pouso e decolagem vertical (eVTOL), também conhecidas no mercado como EVA (Electrical Vertical Aircraft ou aeronave vertical elétrica).

O acordo entre as empresas visa desenvolver novos serviços e procedimentos que irão criar um ambiente operacional seguro e escalonável para as operações de EVA junto com as comunidades e outras partes interessadas da indústria.

“Nossa parceria com a Microflite permite que a Eve injete inovação e novas soluções de mobilidade no mercado australiano. Podemos entregar uma solução abrangente, incluindo serviços de manutenção e gerenciamento de tráfego aéreo. Isso nos prepara para apresentar nossas aeronaves à Austrália, enquanto nos beneficiamos da extensa experiência operacional local da Microflite”, destaca o CEO da Eve Urban Air Mobility, Andre Stein.

Rio de Janeiro terá conceito de operações de mobilidade aérea urbana

Iniciando pelo Rio de Janeiro, a Eve Urban Air Mobility está contribuindo com parceiros estratégicos e entidades governamentais para o desenvolvimento no Brasil de um novo conceito de operações (CONOPS) para o mercado futuro de Mobilidade Aérea Urbana (UAM).

A iniciativa reúne a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) e o DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) em um trabalho que avalia como a infraestrutura e as soluções de gerenciamento do tráfego aéreo existentes podem permitir operações de UAM.

“Nessa etapa inicial vamos descrever as principais características e requisitos do ecossistema, com a perspectiva dos usuários, parceiros, entidades e órgão governamentais envolvidos. A partir da evolução do conceito conceberemos uma descrição sobre como viabilizar o propósito de democratizar a mobilidade aérea urbana de forma segura, econômica e acessível”, afirma Andre Stein.

A primeira simulação acontecerá até o final do ano no Rio de Janeiro. Helicópteros convencionais serão usados para simular a aeronave elétrica de pouso e decolagem vertical (eVTOL).

Relacionados:

► Embraer amplia rede de serviços para jatos executivos nos EUA► Latam diz que Azul defende 'monopólio'

Leia mais: