clique para ir para a página principal

JFL, construtora de imóveis de luxo, registra pedido de IPO na CVM

Atualizado em -

JFL, construtora de imóveis de luxo, registra pedido de IPO na CVM Divulgação / JFL Living
► Comércio brasileiro tem alta de 1,2% em julho, diz relatório do Serasa► Empresas avaliam cenário econômico e interrompem IPO na B3; entenda os motivos de algumas

Na última quinta-feira (2), a JFL Holding, construtora de imóveis de alto nível, registrou seu pedido de Oferta Pública Inicial de Ações (IPO) na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A companhia, fundada em 2015, conta em sua carteira atual, principalmente, com empreendimentos em áreas nobres da cidade de São Paulo.

A Oferta Pública Inicial da empresa tem como objetivo a distribuição primária e secundária de ações ordinárias. Com isso, a companhia pretende movimentar R$ 1 bilhão na oferta.

Do valor obtido, 55% deve ser direcionado a novos projetos para desenvolvimento, como construção e investimentos estratégicos em tecnologia. Do restante, 24% será voltado para melhoria do pagamento de dívidas e estrutura de capital e 21% para a aquisição de novos ativos.

De acordo com a documentação publicada pela empresa, a JFL tem quatro empreendimentos prontos e seis em desenvolvimento. Além disso, a mesma possui um pipeline de projetos (organização identificação de ideias que possam evoluir para futuros investimentos) com mais de 118 mil m2 de ABL (Área Bruta Locável), com investimento total de R$ 2,6 bilhões.

Crescimento do mercado de luxo

Muitos setores da economia sofreram um impacto negativo considerável por conta da pandemia da Covid-19, mas não foi o que aconteceu com o mercado de luxo, segundo a JHSF Participações (JHSF3). Como aponta a companhia, as vendas de produtos de alto nível aumentaram cerca de 50% no final do segundo trimestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2019.

Em seu prospecto do IPO, a JFL informou ter registrado um prejuízo líquido de R$ 4,644 milhões no primeiro semestre de 2021 - alta de 67,29% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Já o Ebitda chegou a R$ 21,6 milhões no primeiro semestre deste ano, um salto positivo de 560%.

Relacionados:

► Comércio brasileiro tem alta de 1,2% em julho, diz relatório do Serasa► Empresas avaliam cenário econômico e interrompem IPO na B3; entenda os motivos de algumas

Leia mais: