clique para ir para a página principal

Semana inicia com repercussão das manifestações do dia 7 de setembro

Atualizado em -

Semana inicia com repercussão das manifestações do dia 7 de setembro Sandret/Freepik
► Ibovespa encerra em alta de +0,80% e é cotado aos 117.868 pontos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Clique e fale com um especialista VLG Investimentos

Nesta quarta-feira, a sessão é de repercussão das manifestações contra e a favor do governo no dia 7 de setembro. Em discursos em Brasília e São Paulo, Jair Bolsonaro fez ameaças contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e atacou o ministro Alexandre de Moraes. Apesar da atenção às manifestações, o ETF EWZ fechou a sessão da véspera em alta de 0,61% na Bolsa de Nova York.

Por mais que a manifestação recente não tenha levado a maiores preocupações, como conflitos e participação ostensiva de policiais militares, as falas de Bolsonaro reforçaram a crise político-institucional, o que pode ter impacto na agenda de reformas.

No exterior, a sessão na Europa é negativa e os futuros de Nova York abrem em baixa, com reavaliação das perspectivas de crescimento após a recuperação deste ano.

Internacional

Sobre os mercados mundiais, nos EUA os índices futuros Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq indicam quedas de 0,03%, 0,04% e 0,07%, respectivamente. Na terça, o S&P caiu 0,3%, em um dia de relativamente poucas negociações, após o feriado do Dia do Trabalho. O Dow recuou 260 pontos, enquanto o Nasdaq, marcado por ações de tecnologia, avançou menos de 0,1%, aproximando-se de um patamar recorde no fechamento.

Historicamente, setembro vem sendo um dos meses mais fracos do ano. Há temor de que os preços sofram fortes oscilações, especialmente quando se leva em consideração que o S&P subiu cerca de 20% no ano, sem ter passado por um único recuo de 5%.

Na quarta, o Departamento de Emprego divulgará sua pesquisa sobre Abertura de Vagas e Rotatividade da Mão de Obra. Além disso, o Federal Reserve lançará o seu Livro Bege, que traz uma descrição sobre a atividade em 12 distritos.

Anteriormente, o presidente do Fed, Jerome Powell afirmou que o banco central americano deve reduzir o ritmo de seu programa de compra de títulos, que vem injetando mensalmente US$ 120 bilhões na economia. Mas ele afirmou que o movimento está atrelado a sinais de fortalecimento do mercado de trabalho.

Divulgado na sexta, o relatório de empregos relativo a agosto nos Estados Unidos, indicou a criação de 235 mil vagas. O patamar ficou abaixo da expectativa de economistas ouvidos pela Dow Jones, de criação de 720 mil vagas. Em julho haviam sido criadas 1,053 milhão de vagas. Ao mesmo tempo, o índice de desemprego recuou de 5,4% para 5,2%, em linha com as estimativas. Os dados fracos sobre emprego, aliados aos efeitos da propagação da variante delta do coronavírus, podem atrasar a redução do ritmo de compra de títulos nos Estados Unidos.

No final de semana, o banco Goldman Sachs reduziu a sua perspectiva econômica para os Estados Unidos, citando a redução de estímulos fiscais e o avanço da variante Delta do coronavírus, o que pode estar contribuindo para os resultados modestos dos futuros americanos nesta quarta. O banco vê crescimento e 5,7% no PIB em 2021, abaixo do consenso do mercado, de 6,2%. O banco também reduziu sua perspectiva para o PIB no quarto trimestre de 6,5% a 5,5%.

As bolsas asiáticas têm desempenhos variados entre si na quarta, com desempenho positivo de ações do Evergrande Group, que se recuperam levemente, após terem caído por um curto período a um patamar abaixo do preço de sua oferta pública inicial de ações. Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou com queda de 0,12%; na China continental, o Shanghai composto recuou levemente, a 3.675,19 pontos; na Coreia do Sul, o Kospi perdeu 0,77%; no Japão, o Nikkei subiu 0,89%. A economia do Japão avançou 1,9% no trimestre entre abril e junho, em comparação com o mesmo período do ano anterior, acima da estimativa inicial de alta de 1,3%.

As bolsas europeias recuam nesta quarta, em meio a nervosismo quanto à perspectiva de recuperação econômica e a ressurgência de casos de Covid. O índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, cai 1,3%, com destaque negativo do setor automotivo. No continente, investidores aguardam o desfecho da reunião de quinta do Banco Central Europeu, em meio a uma alta recente na inflação e indicadores econômicos positivos, que levam a alguns observadores a esperarem menos estímulos das autoridades.

Brasil

No Brasil, o último pregão de ações encerrou com alta de 0,80%, a 117.868 pontos e volume financeiro negociado de R$15,735 bilhões. Enquanto isso, o dólar comercial fechou com queda de 0,15% a R$ 5,176 na compra e a R$ 5,177 na venda. Na terça, dia que celebrou a Independência do Brasil, o Dow Jones Brazil Titans 20 subiu 0,47%, a 19.595 pontos. Ele foi na contramão dos índices Dow Jones e S&P 500, que fecharam no vermelho.

O desempenho do índice de ADRs brasileiros só não foi melhor porque alguns papéis de peso caíram, como os da Vale (-1,94%). Já o setor financeiro subiu, ajudando a empurrar o Dow Jones Brazil Titans 20 para cima, como as ADRs do Itaú (+1,23%) e as do Bradesco (+0,23%).

Commodities

Sobre as commodities, o petróleo Brent é negociado com alta de 1,14%, a US$72,51 o barril. Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian registram alta de 0,07%, cotados a 747 iuanes, equivalente hoje a US$ 115,65 (nas últimas 24 horas).

Corporativo

No contexto corporativo, a Superintendência-Geral do Cade, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica, emitiu parecer na noite de segunda recomendando a aprovação da fusão entre Localiza e Unidas mediante “remédios”. O negócio agora segue para avaliação do Tribunal do Cade, com prazo até janeiro de 2022.

Em um documento com mais de 200 páginas, o Cade afirmou que a concentração das operações “gera riscos relevantes para o ambiente competitivo no mercado de locação de veículos (RAC)”. O tamanho da concentração no RAC, segundo a autarquia, seria de 70% após a fusão das duas companhias.

Além disso, a Gol divulgou na segunda que a demanda para os voos cresceu 84,7% em agosto de 2021 na comparação com o mesmo mês do ano passado, enquanto a oferta aumentou 83%. Já a taxa de ocupação foi de 80,2%, um aumento de 0,8 ponto em relação a agosto de 2020. No mês passado, a Gol transportou 1,5 milhão de passageiros, um aumento de 87% na mesma base de comparação. No acumulado de janeiro a agosto, a demanda avançou 4,6% e a oferta subiu 1,5%, na comparação com o período de janeiro a agosto de 2020, com taxa de ocupação de 82%, alta de 2,5 pontos porcentuais. Os dados se referem apenas à operação doméstica da Gol, pois a companhia não realizou voos internacionais no período.

Relacionados:

► Ibovespa encerra em alta de +0,80% e é cotado aos 117.868 pontos

Leia mais: