clique para ir para a página principal

Vendas no varejo crescem 1,9% em agosto, aponta Índice Cielo do Varejo Ampliado

Atualizado em -

Vendas no varejo crescem 1,9% em agosto, aponta Índice Cielo do Varejo Ampliado Kikovic/Thinkstock
► Vibra anuncia venda de sua participação na Brasil Carbonos, para a Unimetal ► Relatório do Ecad mostra efeito da pandemia no mercado de shows

Nesta quinta-feira (16), o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) mostrou que as vendas no varejo no mês de agosto deste ano cresceram 1,9%, descontada a inflação, em comparação com o mesmo mês de 2020. Em termos nominais, as vendas atingiram um avanço de 16%.

O afrouxamento de medidas de isolamento e o aumento no índice de preços são fatores que contribuíram positivamente para os valores observados pelo ICVA. Mas, o levantamento aponta que descontando o fato de agosto deste ano ter tido um sábado a menos e uma terça-feira a mais, ante o mesmo mês de 2020, as vendas reais teriam avançado 2,4% e as nominais 16,6%.

“O faturamento do varejo está em crescimento contínuo nos últimos meses, mesmo que com um ritmo menor. No entanto, esse resultado não está associado apenas à retomada da atividade comercial em todo o país”, afirma o head de inteligência da Cielo, Pedro Lipp.

De acordo com Pedro Lipp, em termos nominais, o varejo está 1,4% acima do patamar de 2019, porém, desconsiderando os efeitos inflacionários do período, ainda está 13,5% abaixo, indicando que ainda há espaço para continuar a retomada das vendas.

Setores

Segundo a pesquisa, subtraída a inflação e com o ajuste de calendário, o macrossetor de bens não duráveis sofreu aceleração na passagem mensal, enquanto bens duráveis e semiduráveis e serviços experimentaram desaceleração.

No macrossetor de bens não duráveis, supermercados e hipermercados ajudaram na aceleração. Já no macrossetor de bens duráveis e semiduráveis, o destaque para a desaceleração foi o segmento de vestuário.

Por fim, no macrossetor de serviços, o segmento de turismo e transporte foi o principal responsável pela desaceleração.

Regiões

Conforme o ICVA deflacionado e com ajuste de calendário, todas as regiões do país apresentaram crescimento em relação a agosto do ano passado. A região Nordeste registrou alta de 3,2%, seguida do Sudeste com 3,1%, Norte 2,6%, Centro-Oeste 1,6% e Sul 1,0%.

Pelo ICVA nominal, considerando apenas o ajuste de calendário, a região Nordeste registrou aumento de 17,2% nas vendas. Na sequência aparecem: Sudeste com 17,1%, Norte 16,2%, Centro-Oeste 15,3% e por fim, o Sul com 15,1%.

Relacionados:

► Vibra anuncia venda de sua participação na Brasil Carbonos, para a Unimetal ► Relatório do Ecad mostra efeito da pandemia no mercado de shows

Leia mais: