clique para ir para a página principal

MTST ocupa sede da B3 em protesto contra a fome e a desigualdade no país

Atualizado em -

MTST ocupa sede da B3 em protesto contra a fome e a desigualdade no país Vivian Reis / G1
► Endividamento das famílias cai pela terceira vez seguida e atinge menor patamar em oito meses, informa CNC► Percentual de famílias com dívidas bate novo recorde e chega a 72,9% em agosto

No início da tarde desta quinta-feira (23), um grupo de ativistas do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) ocupou a sede da Bolsa de Valores brasileira (B3), situada no centro de São Paulo, em protesto contra a fome, a inflação e o desemprego.

Enquanto a manifestação estava ocorrendo, o Ibovespa operava em alta de 1,58%. O protesto teve duração de cerca de duas horas.

Um dos motivos da ocupação, segundo os manifestantes, foi a alta dos papéis de grandes empresas e o avanço do Produto Interno Bruto (PIB). De acordo com o grupo, a expansão foi desigual e excluiu especialmente a classe de renda mais baixa.

“Ocupamos a bolsa de valores de São Paulo, maior símbolo da especulação e da desigualdade social. Enquanto as empresas lucram, o povo passa fome e o trabalho é cada vez mais precário”, publicou o perfil da organização no Twitter.

Em uma sequência de tuítes, o MTST afirma que a Bolsa de Valores mostra a existência de dois “Brasis”, um em que a bolsa está cheia de valores e outro em que a “bolsa” da maioria da população está vazia.

"É inadmissível que quase 100 milhões de brasileiros estejam em situação de fome e insegurança alimentar enquanto os bilionários movimentam R$ 35 bilhões por dia só aqui na bolsa", declara Debora Pereira, liderança do MTST.

Em nota, a organização disse que a manifestação dá início a uma campanha que irá realizar ações nos próximos meses em todo país.

Já a B3 informou que a manifestação aconteceu de forma pacífica, foi encerrada e não houve nenhum impacto nas operações de mercado.

Relacionados:

► Endividamento das famílias cai pela terceira vez seguida e atinge menor patamar em oito meses, informa CNC► Percentual de famílias com dívidas bate novo recorde e chega a 72,9% em agosto

Leia mais: