clique para ir para a página principal

B3 faz parceria de dados com Neurotech, empresa de inteligência artificial

Atualizado em -

B3 faz parceria de dados com Neurotech, empresa de inteligência artificial Pexels
► B3 inicia negociação de ETF com exposição ao setor de hidrogênio► MTST ocupa sede da B3 em protesto contra a fome e a desigualdade no país

Nesta quinta-feira (30), a Neurotech, companhia especializada em tecnologia de inteligência artificial e aprendizado de máquina, anunciou a parceria com a B3, bolsa de valores brasileira, com foco na criação de produtos de dados para o mercado de crédito e de varejo.

Com a operação, que embute termos de compartilhamento de receitas em vendas de produtos desenvolvidos com a parceria, a Neurotech terá acesso ao “Plug”, central de dados da B3.

De acordo com o diretor de produtos da Neurotech, Breno Costa, o mercado de crédito e seguros ainda carece de informações para uma oferta de produtos com ainda mais precisão para tomada de decisões.

“Um exemplo clássico, é o limite de cartão de crédito. Sem dados confiáveis, o limite acaba sendo incompatível com o perfil do consumidor, reduzindo a atratividade de uso do cartão, para limites abaixo do ideal ou, ainda, o aumento da inadimplência para limites acima do ideal” acrescentou o diretor em comunicado.

Breno Costa acredita que a B3 possui informações exclusivas no mercado, que não podem ser encontradas em plataformas tradicionais de dados de crédito.

Segurança e IA

No final de agosto deste ano, em um evento online da XP, painel sobre tecnologia e investimentos da Expert XP, Gilson Finkelsztain, presidente da B3, disse que a empresa está desenvolvendo um sistema de inteligência artificial para facilitar alguns processos e prevenir a bolsa de ataques e crimes cibernéticos.

Como o Mercado1Minuto apontou aqui, segundo ele, a empresa usa a inteligência artificial para gerar valor e agregar informação de forma otimizada aos clientes. Além disso, a tecnologia também é utilizada para a leitura de documentos, prevenção de lavagem de dinheiro, monitoramento preventivo e segurança cibernética.

De acordo com o presidente da XP, Thiago Mafra, que também participou do painel, o setor de investimentos entrelaçado à tecnologia tem um futuro otimista. Além de auxiliar nas plataformas de investimentos, deixando-as mais rápidas, ágeis e baratas de construir, a tecnologia também abre as portas para novas formas de aplicar o dinheiro, como criptomoedas e NFTs.

Relacionados:

► B3 inicia negociação de ETF com exposição ao setor de hidrogênio► MTST ocupa sede da B3 em protesto contra a fome e a desigualdade no país

Leia mais: