clique para ir para a página principal

Banco Central projeta crescimento econômico de 4,7% neste ano e de 2,1% em 2022

Atualizado em -

Banco Central projeta crescimento econômico de 4,7% neste ano e de 2,1% em 2022 Pexels
► Brasil criou 372 mil vagas de emprego em agosto, avanço de 22,7% em relação a julho► Confiança do comércio em setembro tem maior queda em seis meses, diz FGV

O Banco Central (BC) projeta um crescimento de 4,7% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2021 e de 2,1% em 2022. O relatório trimestral de inflação divulgado nesta quinta-feira (30) mostra que a expectativa para este ano ficou praticamente estável. Na última projeção, a alta seria de 4,6%, apenas 0,1 ponto abaixo da projeção atual.

"A revisão repercute resultado no segundo trimestre ligeiramente acima do esperado e modesta redução da projeção do crescimento no terceiro trimestre, em linha com o conjunto de indicadores coincidentes da atividade econômica conhecidos até a data de corte do RI (relatório)", aponta o Banco Central.

Apesar da pequena diferença entre uma revisão e outra, houve mudanças significativas na expectativa em relação às categorias que compõem o PIB.

Na área de produção, por exemplo, houve revisão dos prognósticos de crescimento do setor de serviços de 3,8% para 4,7%. Na indústria, houve recuo na projeção, de 6,6% para 4,7%. Segundo o BC, essa mudança repercute a "piora nas projeções para a indústria de transformação e para a produção e distribuição de eletricidade, gás e água". A expectativa de crescimento agropecuária também foi reduzida, de 2,5% para 2,0%, principalmente por causa das menores estimativas para a produção do milho segunda safra e da cana-de-açúcar em razão da intensificação de problemas climáticos.

Em relação ao crescimento previsto de 2,1% para 2022, o relatório do BC aponta que o movimento de aperto monetário que já está em curso contribui para a desaceleração da taxa de crescimento.

"Esta previsão ainda apresenta grau elevado de incerteza e está apoiada nas seguintes hipóteses: continuidade do arrefecimento da crise sanitária, diminuição gradual dos níveis de incerteza econômica ao longo do tempo, manutenção do regime fiscal e ausência de restrições diretas ao consumo de eletricidade", explica o documento.

Relacionados:

► Brasil criou 372 mil vagas de emprego em agosto, avanço de 22,7% em relação a julho► Confiança do comércio em setembro tem maior queda em seis meses, diz FGV

Leia mais: