clique para ir para a página principal

ONU aponta que 1,4 bilhão de crianças foram afetadas pela falta de atividades escolares na pandemia

Atualizado em -

ONU aponta que 1,4 bilhão de crianças foram afetadas pela falta de atividades escolares na pandemia Pexels
► Pfizer e BioNTech anunciam expansão de programa de vacina a países pobres► Pfizer pede à Anvisa que avalie eficácia de terceira dose da vacina

O relatório "Covid-19 e desenvolvimento sustentável: avaliando a crise de olho na recuperação" divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) nesta quarta-feira (29) aponta uma realidade difícil em relação à educação das crianças e dos jovens que tiveram que interromper suas atividades escolares durante a pandemia. Segundo a organização, a impossibilidade de participar de atividades pedagógicas presenciais impactou mais de 1,4 bilhão de crianças e jovens em todo o mundo. De acordo com o documento, os prejuízos podem perdurar por toda a vida entre os mais jovens.

A ONU comenta que a "crise sem precedentes na educação" só será vencida com a campanha de vacinação para alcançar o fim da pandemia. A instituição enfatiza que, além das campanhas de saúde pública, os governos precisam implementar políticas públicas de desenvolvimento econômico e social para tentar reverter o prejuízo.

“São necessários mecanismos sistêmicos e uma lente de equidade para reduzir as perdas no desenvolvimento humano e transformá-las em oportunidades no longo prazo”, destaca o relatório.

A organização também defende o retorno às aulas presenciais com o cumprimento das medidas de segurança.

“Além de perdas de aprendizagem, o fechamento prolongado de escolas traz consequências à alimentação e à segurança, pois representa a interrupção de acesso a outros serviços básicos importantes, como merenda escolar, programas recreativos, atividades extracurriculares, apoio pedagógico e infraestrutura de saúde, água, saneamento e higiene”, explica.

Ao citar o ensino remoto, a ONU afirma que a falta de acesso à internet dificulta o aprendizado por meio dessa modalidade de ensino. A organização calcula que, no Brasil, cerca de 28% das famílias não têm acesso à internet.

“Diante desse cenário, além de priorizar a reabertura segura das escolas, investimentos em disrupção digital são fundamentais como resposta imediata e caminho para além da recuperação".

O relatório também sugere 55 ações para que o Brasil se recupere mais rápido dos danos causados pela pandemia. Entre os principais pontos, a ONU sugere a reforma tributária, a universalização da banda larga e o aprimoramento da economia digital.

Relacionados:

► Pfizer e BioNTech anunciam expansão de programa de vacina a países pobres► Pfizer pede à Anvisa que avalie eficácia de terceira dose da vacina

Leia mais: