clique para ir para a página principal

Após revelação de offshores, Guedes e Campos Neto afirmam que tudo foi declarado

Atualizado em -

Após revelação de offshores, Guedes e Campos Neto afirmam que tudo foi declarado José Cruz/Agência Brasil
► Guedes: "Há momentos de estresse, mas ambiente é de cooperação"► Com expansão arrojada, VLG Investimentos amplia seu time de executivos com Celso Maehata (CFO) e Wilson Junior (COO)

O ministro Paulo Guedes afirmou, por meio de nota oficial emitida pelo Ministério da Economia, que toda a sua atuação privada foi declarada à Receita Federal e aos órgãos competentes no momento em que ele tomou posse como Ministro da Economia, em 2019.

“Toda a atuação privada do ministro Paulo Guedes, anterior à investidura no cargo de ministro, foi devidamente declarada à Receita Federal, Comissão de Ética Pública e aos demais órgãos competentes, o que inclui sua participação societária na empresa mencionada. As informações foram prestadas no momento da posse, no início do governo, em 2019”, informa a nota.

A explicação do ministro acontece após a revelação da “Pandora Papers”, investigação jornalística feita por veículos de vários países que identificou mais de 27 mil offshores registradas em paraísos fiscais. A investigação envolve 1.897 brasileiros, entre os quais estão Paulo Guedes e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

De acordo com a investigação, Guedes possui uma empresa com valor de US$ 9,55 milhões nas Ilhas Virgens Britânicas.

Os nomes de Guedes e de Campos Neto na Pandora Papers ganham importância por causa dos cargos que eles ocupam no governo. Aos brasileiros, é permitido possuir offshores, desde que sejam obedecidas regras de declaração à Receita Federal e ao Banco Central. No entanto, por serem integrantes do alto escalão do governo, há dúvidas se Paulo Guedes e Campos Neto caem num conflito de interesses.

Segundo o artigo 5º do Código de Conduta da Alta Administração Federal, de 2000, funcionários do alto escalão são proibidos de manter aplicações financeiras, no Brasil ou no exterior, que possam ser afetadas por políticas governamentais.

Tanto o ministro da Economia como o presidente do Banco Central possuem poder para alterar a política econômica do país, daí a importância do caso para o governo.

Ao ser questionado, Roberto Campos Neto também afirmou que tudo foi declarado antes de assumir o cargo de presidente do BC.

“Está tudo declarado, inclusive com acesso público pelo site do Senado. Não fiz nenhuma remessa para a empresa em nenhum momento desde que cheguei ao governo. E não fiz nenhum investimento financeiro em nenhuma empresa. Colocamos isso em uma mensagem e está bastante claro. Acho que é importante esclarecer obviamente e seguir com a nossa agenda”, esclareceu.

Relacionados:

► Guedes: "Há momentos de estresse, mas ambiente é de cooperação"► Com expansão arrojada, VLG Investimentos amplia seu time de executivos com Celso Maehata (CFO) e Wilson Junior (COO)

Leia mais: