clique para ir para a página principal

Produção industrial cai pelo terceiro mês seguido; recuo foi de 0,7% em agosto

Atualizado em -

Produção industrial cai pelo terceiro mês seguido; recuo foi de 0,7% em agosto Pexels
► Importadores e distribuidoras de combustíveis solicitam isenção de taxa de importação do etanol ► Com 74% das famílias endividadas, CNC aponta recorde no patamar desde 2010

A produção industrial brasileira caiu 0,7% no mês de agosto em comparação com julho, segundo dados divulgados nesta terça-feira (05) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com os números do oitavo mês do ano, a indústria está 2,9% abaixo do patamar pré-pandemia, em fevereiro de 2020.

No ano, o setor acumula alta de 9,2% e, em 12 meses, de 7,2%, intensificando o crescimento de julho (7,0%) e mantendo trajetória ascendente desde agosto de 2020 (-5,7%).

Em agosto, três das quatro das grandes categorias econômicas e 15 dos 26 ramos pesquisados registraram taxas negativas.

"Há um desarranjo da cadeia produtiva, que faz com que haja encarecimento dos custos de produção e desabastecimento de matérias-primas para produção do bem final. Isso vem trazendo, pelo lado da oferta, maior dificuldade para o avanço do setor”, explica o gerente da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), André Macedo.

Segundo o IBGE, as influências negativas mais importantes do mês foram causadas por produtos químicos, com recuo de 6,4%; coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, que registrou queda de 2,6%; e veículos automotores, reboques e carrocerias, com recuo de 3,1% em agosto. Entre as atividades com impacto positivo, destaque para produtos alimentícios, que avançou 2,1%; bebidas, com crescimento de 7,6%; e indústrias extrativas, que registrou alta de 1,3%.

Na comparação com o mês de agosto de 2020, a indústria também registrou recuo de 0,7%. A retração foi disseminada por três das quatro categorias econômicas e 14 dos 26 ramos pesquisados.

Relacionados:

► Importadores e distribuidoras de combustíveis solicitam isenção de taxa de importação do etanol ► Com 74% das famílias endividadas, CNC aponta recorde no patamar desde 2010

Leia mais: