clique para ir para a página principal

Merck solicita autorização para uso emergencial de pílula contra a Covid-19 nos EUA

Atualizado em -

Merck solicita autorização para uso emergencial de pílula contra a Covid-19 nos EUA Divulgação | Merck
► Anvisa autoriza uso de Remdesivir contra Covid-19 e dá registro definitivo para vacina AstraZeneca ► Novo remédio em fase final de estudo pode reduzir até 50% das mortes por Covid-19

A Merck (MRCK34) e seu parceiro Ridgeback Biotherapeutics LP submetaram um pedido à Food and Drug Administration (FDA) para autorização do uso emergencial nos Estados Unidos para o molnupiravir, deixando mais próxima a possibilidade do remédio se tornar o primeiro tratamento antiviral oral para a Covid-19.

Em comunicado distribuído nesta segunda-feira (11), as empresas ressaltaram que o uso é recomendado para tratar pacientes infectados pelo coronavírus e que tiveram sintomas leves a moderados em adultos. Nos testes, com a administração da pílula houve uma diminuição considerável dos casos de hospitalização de contaminados pelo vírus. Dados dos ensaios clínicos apontaram que o risco de hospitalização para esses pacientes foi reduzido pela metade.

"O impacto extraordinário desta pandemia exige que nos movamos com urgência sem precedentes, e é isso que nossas equipes fizeram ao enviar este pedido de molnupiravir ao FDA dentro de 10 dias após o recebimento dos dados", disse, em nota, Robert M. Davis, executivo-chefe da Merck e presidente.

Uma das vantagens apresentadas é que o molnupiravir pode ser administrado nos pacientes em casa, ao contrário do remdesivir antiviral e das terapias de anticorpos monoclonais da Gilead Sciences Inc., administrados por infusão intravenosa, geralmente dentro de um hospital ou clínica. O tratamento de pacientes com Covid-19 em sua própria residência evita ainda o risco de transmissão do coronavírus para outros pacientes e profissionais da equipe médica.

A farmacêutica Merck reforçou que busca alcançar a marca de 10 milhões de kits de tratamento produzidos até o final de 2021. Em junho, o laboratório assinou com o governo americano um acordo de US$ 1,2 bilhão para o fornecimento de 1,7 milhão de kits de tratamento tão logo o medicamento tiver autorização para uso de emergência ou aprovação do FDA.

Relacionados:

► Anvisa autoriza uso de Remdesivir contra Covid-19 e dá registro definitivo para vacina AstraZeneca ► Novo remédio em fase final de estudo pode reduzir até 50% das mortes por Covid-19

Leia mais: