clique para ir para a página principal

Paulo Guedes diz que FMI "vai errar de novo" e projeta crescimento de mais de 2% em 2022

Atualizado em -

Paulo Guedes diz que FMI "vai errar de novo" e projeta crescimento de mais de 2% em 2022 Alan Santos | Presidência da República
► Reforma administrativa: por que a aprovação da proposta interessa ao mercado?► FMI aumenta projeção para inflação do Brasil e reduz expectativa de crescimento neste ano

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (14) que o Fundo Monetário Internacional (FMI) vai errar suas projeções para o crescimento do país em 2022.

"O FMI vai errar de novo, eles continuam fazendo isso. O crescimento será de mais de 2% em 2022", disse o ministro em entrevista ao Atlantic Council, nos Estados Unidos.

Como o Mercado1Minuto mostrou aqui, o FMI reduziu a projeção de crescimento do Brasil para este e para o próximo ano. Segundo a instituição, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve ter crescimento de 5,2% em 2021. Em 2022, a alta projetada é de 1,5%. No relatório anterior, a estimativa era de crescimento de 5,3% neste ano e de 1,9% em 2022.

Guedes acredita que o Brasil crescerá o dobro do esperado pelo FMI e afirma que a revisão da projeção feita pelo fundo aconteceu por causa do "barulho político" que tem acontecido em relação às medidas do governo e ao avanço das reformas.

O ministro disse acreditar, inclusive, que as reformas tributária e administrativa serão aprovadas ainda este ano.

"Acho que veremos tudo isso aprovado até o fim do ano", disse ele ao ser questionado sobre o andamento da agenda de reformas do governo.

Na mesma entrevista, Paulo Guedes exaltou a campanha de vacinação no país e disse que mais de 90% da população já foi imunizada com pelo menos uma dose.

"Nós vacinamos 93% da população adulta com uma dose e 60% com duas doses e estamos proporcionando uma volta segura ao trabalho, e em setores como comércio e serviços", afirmou.

Nesta quarta-feira (13), o Brasil atingiu a marca de 100 milhões de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid-19. Já foram aplicadas 249,7 milhões de doses, sendo que 149,7 milhões de pessoas receberam a primeira dose e 100 milhões tiveram a aplicação das duas doses ou dose única.

Relacionados:

► Reforma administrativa: por que a aprovação da proposta interessa ao mercado?► FMI aumenta projeção para inflação do Brasil e reduz expectativa de crescimento neste ano

Leia mais: