clique para ir para a página principal

'Inflação ao motorista' é quase o dobro da inflação geral, aponta FGV

Atualizado em -

'Inflação ao motorista' é quase o dobro da inflação geral, aponta FGV Freepik
► BC continuará subindo taxas enquanto a inflação continuar em alta, diz Fabio Kanczuk► Após quatro altas consecutivas, intenção de consumo das famílias fica estável em outubro

A vida do motorista brasileiro está cada vez mais complicada. Dados divulgados nesta sexta-feira (22) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostram o aumento nos itens relacionados aos automóveis no período de novembro de 2020 a outubro de 2021.

Entre as principais altas, destaque para o etanol, que já acumula avanço de 64,45% no preço nos últimos 12 meses. A gasolina, por sua vez, já registrou alta de 40,46% entre novembro do ano passado e outubro deste ano. O gás natural veicular, que tem crescido como opção mais econômica, teve avanço de 37,11% no valor nos últimos 12 meses.

Nesse sentido, a inflação ao motorista chegou a 18,46% no período analisado, quase o dobro da inflação geral, que está em 9,57% segundo os dados mais recentes do IPC-10 da FGV.

Outro fator que influenciou negativamente na inflação para o motorista foi a escassez de produtos trazida pela pandemia do coronavírus. Por causa das dificuldades vividas pelas montadoras, o preço dos automóveis novos subiu 11,27% entre novembro e outubro deste ano. Os automóveis usados também tiveram avanço significativo, de 8,44%, no período.

Veja abaixo a tabela disponibilizada pela FGV com a inflação dos principais itens que afetam o motorista:

tabela.jpeg

Relacionados:

► BC continuará subindo taxas enquanto a inflação continuar em alta, diz Fabio Kanczuk► Após quatro altas consecutivas, intenção de consumo das famílias fica estável em outubro

Leia mais: