clique para ir para a página principal

Caixa lança linha de crédito para sistemas fotovoltaicos residenciais e fundo ESG

Atualizado em -

Caixa lança linha de crédito para sistemas fotovoltaicos residenciais e fundo ESG Shutterstock
► Caixa finaliza o processo de autorização da sua subsidiária DTVM► Caixa Seguridade vai pagar R$ 733 milhões em dividendos; Minerva emite R$ 400 milhões em debêntures

A Caixa Econômica Federal anunciou que lançará uma nova linha de crédito para financiar as construções de sistemas de geração de energia fotovoltaicos em residências, em complemento a outras linhas de crédito, voltadas a empresas e ao setor agro, que possuem orientação sustentável.

Segundo a empresa, o crédito Caixa Energia Renovável permitirá que as pessoas físicas financiem a construção de sistemas fotovoltaicos em casa com taxas a partir de 0,99% ao mês, com financiamento de até 100% do projeto, limitado à capacidade financeira do cliente. O prazo será de até 60 meses, com carência de seis meses para o primeiro vencimento.

A nova linha de crédito será disponibilizada em breve, e terá uma modalidade sem garantia e outra com caução de aplicações financeiras de renda fixa. Com o novo projeto, a Caixa ressalta que os sistemas de geração fotovoltaica residenciais podem reduzir em até 95% o valor da tarifa mensal de energia.

A Caixa já possui outras linhas de crédito de ecoeficiência para pequenas e médias empresas, que permitem a compra de equipamentos que otimizem a eficiência energética ou a destinação de resíduos, com taxa a partir de 1,09% + referencial ao mês. Além disso, o banco também disponibiliza linhas direcionadas ao agronegócio para plantios sustentáveis, reflorestamento e outros, com taxas de 7% ao ano.

Fundo ESG

Além disso, na última sexta-feira (05) o banco lançou ao público o fundo de investimento em ações de empresas com boas práticas ESG ( Sociais, ambientais e de governança), com aplicação mínima de R$ 1 e disponível a todos os clientes, por meio de canais online ou das próprias agências. A instituição financeira afirmou que será possível investir até R$ 3 bilhões em ativos globais ESG, tanto por ações brasileiras ou por empresas estrangeiras com BDRs na B3.

Conforme o anúncio da Caixa, são elegíveis empresas que cuidam do meio ambiente e que possuam projetos direcionados à transição para a economia de baixo carbono ou que zeram sua pegada de CO2. As companhias que tenham relações comerciais e de trabalho justas, com impacto social e tenham rigorosos controles de governança também poderão fazer jus do fundo.

Emissão de carbono

A Caixa Econômica Federal assumiu o compromisso de zerar a emissão de carbono até 2026 através de seu programa “Caixa Florestas”. De acordo com a companhia, o plano é reduzir 40% das emissões em dois anos, assim neutralizando 66,5 mil toneladas de CO2 emitidos com o plantio de 5 milhões de árvores e alcançando os 100%. Com isso, a empresa ampliará a cultivação de árvores para 10 milhões, neutralizando 133 mil toneladas de CO2.

O programa Caixa Florestas foi criado em maio deste ano e tem o objetivo de destinar R$ 150 milhões do lucro, por ano, para projetos socioambientais. Conforme a proposta, o intuito é ainda recuperar florestas, nascentes e unidades de conservação em todos os biomas, totalizando 3,5 milhões de hectares.

Segundo a Caixa, foram contratados R$ 23 milhões em financiamentos para o plantio de 1,1 milhão de árvores e recuperação de 2.160 nascentes. No total, são R$ 54,18 milhões de financiamentos do programa Caixa Floresta para o plantio de 3,18 milhões de árvores em cinco anos e a recuperação de 2.203 nascentes.

Relacionados:

► Caixa finaliza o processo de autorização da sua subsidiária DTVM► Caixa Seguridade vai pagar R$ 733 milhões em dividendos; Minerva emite R$ 400 milhões em debêntures

Leia mais: