clique para ir para a página principal

Ganho REAL em cenário de alta da inflação

Atualizado em -

Ganho REAL em cenário de alta da inflação Envato
► 2021 e a Teoria do Pêndulo► Entenda a inflação e como ela afeta os investimentos

Um dos principais objetivos do investidor deveria ser aumentar o seu poder de compra ao longo do tempo, ou seja, remunerar seus investimentos acima da inflação.

No Brasil, o indicador da inflação oficial é o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Nos últimos anos, o investimento no Tesouro Direto se popularizou muito e um dos títulos mais demandados é o Tesouro IPCA+ (antiga NTN-B). Esse título paga ao investidor um retorno PRÉ-FIXADO + IPCA (inflação). Para que o leitor entenda como o Imposto de Renda (IR) pode impactar negativamente nesse tipo de investimento, vou primeiro explicar o conceito de Rentabilidade NOMINAL versus Rentabilidade REAL.

  • Rentabilidade Nominal é definida como o valor do retorno obtido nos investimentos.

Exemplo: O CDI rendeu nos últimos 10 anos 124,67% = 8,43% ao ano. O IPCA (inflação) dos últimos 10 anos foi de 78,12% = 5,94% ao ano.

  • Rentabilidade REAL é definida como QUANTO os seus investimentos superaram a inflação. No exemplo anterior o CDI entregou um retorno médio REAL de 2,35% ao ano, nos últimos 10 anos. Investir em títulos públicos (Tesouro Direto) indexados à inflação (NTN-B) nos protegem da inflação e nos proporcionam retornos REAIS aos nossos investimentos.

Entretanto, existem outros ativos que possuem uma vantagem competitiva muito interessante, são as Debêntures Incentivadas (criadas pela Lei 12.431 – leia mais no site da ANBIMA), além de outros ativos que também são isentos para pessoa física, com CRI e CRA.

Ao realizarmos um comparativo de um investimento em uma NTN-B 2026 que paga uma taxa pré-fixada de 5,40% + IPCA (considerando um IPCA anual de 3,50% no caso 1 e 8,00% no caso 2) e um ativo isento de vencimento em 2026 (Debênture Incentivada, CRI ou CRA) com taxa pré-fixada de 6,50% + IPCA, podemos exemplificar o impacto do imposto de renda no ganho real.

No cenário de inflação média anual de 3,50%, o ganho REAL acumulado fica em 23,20% (ganho líquido nominal 46,32%) no investimento em NTN-B e 37,01% em um ativo isento (beneficiado pelo maior spread de risco de crédito e isenção fiscal), com ganho nominal líquido de 62,72%.

Já no cenário de descontrole inflacionário, com inflação a 8,00%, o ganho REAL acumulado fica em 20,77% (ganho líquido nominal 77,46%) no investimento em NTN-B e os mesmos 37,01% em um ativo isento, com ganho nominal líquido de 101,31%.

Como o investimento foi realizado em um título indexado à inflação, o investidor ganhará um maior retorno nominal com o aumento da inflação, mas o investimento em NTN-B ou CDB (investimentos não isentos de imposto), trariam um aumento menor no seu poder de compra (ganho real).

Fica bem claro como o aumento da inflação impacta negativamente no retorno REAL nos investimentos não isentos!

- Henrique Zimmermann é Sócio e Head Nordeste da VLGI.

Esse artigo não é nenhuma recomendação de compra ou investimento, ele busca apenas mostrar o impacto tributário em investimentos atrelados à inflação. Foram desconsiderados os riscos de créditos dos dois ativos, pois o principal fator analisado foi a questão do Imposto de Renda.

É importante que o investidor avalie em conjunto com um profissional de mercado, se o investimento é adequado ao seu perfil de risco, horizonte de investimento e necessidade de liquidez.

Relacionados:

► 2021 e a Teoria do Pêndulo► Entenda a inflação e como ela afeta os investimentos

Leia mais: