clique para ir para a página principal

Ministério da Economia: expectativa para inflação de 2021 aumenta de 7,9% para 9,7%

Atualizado em -

Ministério da Economia: expectativa para inflação de 2021 aumenta de 7,9% para 9,7% Marcello Casal Jr/Agência Brasil
► Promessa de reajuste gera ceticismo entre servidores e ruído no Congresso► Após forte queda na bolsa, sessão inicia com atenção aos riscos fiscais e políticos no país

O Ministério da Economia anunciou uma nova projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021.

A expectativa para a taxa de inflação (IPCA) de 2021 aumentou de 7,9% para 9,7%. Para o próximo ano, a projeção passou de 3,75% para 4,7%.

Neste ano, o centro da meta de inflação é de 3,75% e 3,5% em 2022, nos dois casos com margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos.

Segundo a estimativa de analistas de mercado consultados pelo Banco Central, apontadas no último relatório Focus, o IPCA deve acumular alta de 9,77% em 2021 e de 4,79% em 2022. Já a Secretaria de Política Econômica (SPE) manteve a avaliação de que, a partir de 2023, a projeção converge para a meta: 3,25% em 2023 e 3,0% de 2024 em diante.

A SPE ressalta que sobre o cenário para o próximo ano, a projeção se baseia em dados positivos do mercado de trabalho, que vem se recuperando da queda na pandemia, além do alto volume de investimentos contratados para o ano que vem, em parte decorrente de leilões e concessões.

INCP e IGP-DI

A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) também foi modificada pelo Ministério da Economia. A expectativa para o crescimento do indicador em 2021 foi de 8,40% para 10,04%. Já para o próximo ano, a projeção cresceu de 3,80% para 4,25%.

No caso do Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), a estimativa neste ano passou de 18,00% para 18,66%, e para 2022, a projeção cresceu de 4,70% para 5,42%.

Relacionados:

► Promessa de reajuste gera ceticismo entre servidores e ruído no Congresso► Após forte queda na bolsa, sessão inicia com atenção aos riscos fiscais e políticos no país

Leia mais: