clique para ir para a página principal

A um mês do Natal, confiança do consumidor atinge mínima em 7 meses

Atualizado em -

A um mês do Natal, confiança do consumidor atinge mínima em 7 meses Pilar Olivares/Reuters
► Vendas de Natal devem injetar R$ 68,4 bi no varejo► Confiança do empresário do comércio cai pelo terceiro mês

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), caiu 1,4 ponto em novembro, para 74,9 pontos, menor valor desde abril (72,5 pontos), informou a FGV nesta quarta-feira (24).

Sendo o terceiro mês consecutivo de retração, em médias móveis trimestrais, o índice se manteve em queda ao cair 2,3 pontos, para 75,5 pontos,

“A confiança dos consumidores voltou a apresentar resultado negativo. Apesar do avanço da vacinação, suas consequências favoráveis na redução de casos e mortes e flexibilização das medidas restritivas, o aumento da incerteza econômica diante de uma inflação elevada, política monetária restritiva e maior endividamento das famílias de baixa renda tornam a situação ainda desconfortável e as perspectivas ainda cheias de ameaças”, explica a coordenadora das Sondagens, Viviane Seda Bittencourt, em nota.

No mês de novembro, o Índice de Situação Atual (ISA), que mede a percepção do consumidor sobre o momento presente, recuou 2,1 pontos, para 66,9 pontos. Essa piora teve a influência da deterioração da situação econômica local e das finanças das famílias.

Já o Índice de Expectativas (IE), que acompanha o sentimento em relação aos próximos meses, apresentou uma queda de 1,0 ponto, a 81,4, pressionado pelo indicador que mede as perspectivas sobre a situação financeira familiar.

Em relação às expectativas para os próximos meses, o que mais puxou o IE foi o indicador que mede as perspectivas sobre a situação financeira familiar, que recuou 3,5 pontos, para 80,0 pontos, eliminando a recuperação acumulada no mês anterior, quando o indicador tinha avançado 3,8 pontos.

Os dados mostraram recentemente que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) disparou 10,67% no acumulado em 12 meses, taxa mais acentuada desde janeiro de 2016, quando totalizava 10,71%.

A pesquisa coletou informações de 1.510 domicílios entre os dias 1º e 22 de novembro. A próxima Sondagem do Consumidor será divulgada em 22 de dezembro.

Relacionados:

► Vendas de Natal devem injetar R$ 68,4 bi no varejo► Confiança do empresário do comércio cai pelo terceiro mês

Leia mais: