clique para ir para a página principal

Como os juros e a inflação afetam seus investimentos?

Atualizado em -

Como os juros e a inflação afetam seus investimentos? Freepik
► Copom aumenta taxa básica de juros para 9,25% ao ano► Inflação sobe 0,95% em novembro, maior alta para o mês desde 2015, segundo IBGE

No último dia 08, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu aumentar a taxa básica de juros do Brasil, a Selic, de 7,75% para 9,25% ao ano. Além desse aumento, o órgão sinalizou que a taxa será reajustada para cima novamente em fevereiro de 2022. O aumento deve ser de 1,5 ponto, deixando a Selic em 10,75% ao ano.

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, subiu 0,95% em novembro ante a alta de 1,25% de outubro. Embora tenha registrado uma desaceleração, a inflação foi a maior para um mês de novembro desde 2015 (1,01%).

Esses dados estão constantemente no noticiário econômico e afetam diretamente a sua vida. Os juros e a inflação estão diretamente ligados e é fundamental que você saiba sobre os impactos desses números para tomar decisões em relação às suas finanças.

O movimento do Banco Central de aumentar a Selic está acontecendo justamente para tentar conter a inflação. Quanto maior a inflação, menor o poder de compra do brasileiro. Quanto menores os juros, mais estímulo à economia acontece. Durante a pandemia do coronavírus, o Banco Central reduziu a Selic aos menores níveis da história exatamente para estimular a população a consumir e fazer a economia rodar em meio à crise. Agora, com a inflação subindo de forma constante, o banco tenta aumentar os juros, ou seja, tornar o dinheiro mais caro, para frear um pouco a economia.

Quer entender mais sobre esse tema e como sua vida financeira pode mudar com essas decisões econômicas?

Assista ao episódio do Mercado na Mesa com Eliakim Lemos, head da mesa de produtos da VLGI Investimentos.

Relacionados:

► Copom aumenta taxa básica de juros para 9,25% ao ano► Inflação sobe 0,95% em novembro, maior alta para o mês desde 2015, segundo IBGE

Leia mais: