clique para ir para a página principal

Empresas batem recorde histórico com captação de R$ 596 bilhões no mercado de capitais em 2021

Atualizado em -

Empresas batem recorde histórico com captação de R$ 596 bilhões no mercado de capitais em 2021 Freepik
► Entenda como funcionam os CRIs e CRAs e se são para o seu perfil de investidor► Anbima disponibiliza dados de CRIs e CRAs em plataforma com histórico do mercado de capitais► São Martinho emitirá R$ 1 bi em debêntures incentivadas para investimentos em usinas em SP e GO

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA) anunciou recorde histórico de captação no mercado brasileiro de capitais em 2021, atingindo o valor de R$ 596 bilhões. O volume representa um crescimento de 60% em relação ao ano de 2020, início da pandemia, e de 38% comparado com 2019.

"Não foi só uma classe de ativos que foi destaque, foi o mercado como um todo” disse em entrevista à imprensa nesta quarta-feira (12) o vice-presidente da Anbima, José Eduardo Laloni.

A venda de ações, incluindo R$ 63,6 bilhões em IPOs (aberturas de capital), correspondeu a apenas R$ 128,1 bilhões - mesmo assim um nível recorde também.

No entanto, o grande montante da captações veio através da renda fixa, dos certificados de recebíveis e dos fundos de recebíveis, por exemplo.

O principal destaque de 2021 foram as emissões de debêntures, que atingiram R$ 253,4 bilhões. O valor é mais do que o dobro das emissões de 2020, que totalizaram R$ 121 bilhões e revela o crescimento do mercado de negociações de dívidas corporativas no Brasil.

Renda fixa

O principal destaque de 2021 foram as emissões de debêntures, que atingiram R$ 253,4 bilhões. O valor é mais do que o dobro das emissões de 2020, que totalizaram R$ 121 bilhões e revela o crescimento do mercado de negociações de dívidas corporativas no Brasil.

No recorte das debêntures incentivadas (com isenção de IR), voltadas para projetos de infraestrutura, a captação recorde foi de R$ 47,3 bilhões, um crescimento de 70% em relação ao ano anterior. O cenário econômico atual brasileiro fez com que diversos investidores alocassem parte de suas carteiras em debêntures. As emissões das debêntures seguiram fortes até dezembro e mais de 44% delas saíram com prazos longos, em média de 7 anos.

As empresas estão aproveitando a maior demanda por renda fixa para melhorar o perfil de suas dívidas e alongar os prazos. Atualmente, existem várias companhias AAA – com melhor risco de classificação de crédito – que recentemente fizeram ofertas de debêntures. Alguns destes títulos já pagam IPCA mais 7% ao ano, por exemplo, e sem pagamento do Imposto de Renda.

"O investidor deve se preparar para esse ambiente de juros mais altos calibrando a carteira, na parte de renda fixa, com títulos indexados à inflação - os famosos IPCA+. São eles que ajudam a proteger o patrimônio neste ambiente de inflação subindo", aponta Leonardo Milane, Estrategista-Chefe da VLGI Investimentos.

Ainda na categoria dos ativos de renda fixa, os CRIs e CRAs alcançaram os maiores valores em ofertas para um único mês em dezembro de 2021. Os Certificados de Recebíveis Imobiliários captaram R$ 6,9 bilhões, totalizando R$ 34 bilhões no ano passado, mais do que o dobro do valor captado em 2020. Já os Certificados de Recebíveis do Agronegócio registraram em todo o ano passado R$ 23,1 bilhões em captações – valor 52% maior do que as ofertas registradas em 2020.

Ofertas publicas de CRI e CRA 2015 a 2021.png

+Q1Minuto

Quer entender um pouco mais sobre como combinar diversas categorias de ativos de investimentos pensando em um horizonte de maior prazo? Então, ouça o episódio abaixo do nosso podcast.

Relacionados:

► Entenda como funcionam os CRIs e CRAs e se são para o seu perfil de investidor► Anbima disponibiliza dados de CRIs e CRAs em plataforma com histórico do mercado de capitais► São Martinho emitirá R$ 1 bi em debêntures incentivadas para investimentos em usinas em SP e GO

Leia mais: